Tratamentos

Gluteoplastia

A valorização da região glútea ou nadegueira é cada vez maior entre as portuguesas. A forma e projeção dos glúteos estão dependentes da herança genética, vida sedentária, alterações do peso e idade. Habitualmente, mesmo quem tem umas nádegas firmes e pratica desporto regularmente, nota a partir dos quarenta anos um aumento da flacidez e diminuição da projeção. Existem atualmente vários métodos de melhorar a forma e projeção das nádegas. Todos têm vantagens e desvantagens. Juntamente com o seu cirurgião, deverá escolher o método que mais se adapta a si. O método menos invasivo consiste na Bioplastia com Ácido Hialurónico de alta densidade. Através de injeções no plano abaixo da pele e a vários níveis de profundidade consegue-se dar forma à nádega. Fácil de executar, pode ser realizado em ambulatório, sem necessidade de anestesia ou de repouso após o procedimento. Habitualmente será necessário um reforço ao fim de dois a três meses, pois ocorre uma diminuição de volume por reabsorção inicial, que continua. A duração do produto varia caso a caso, cerca de dois anos, mas terá de realizar um reforço todos os anos. É um método muito dispendioso e não definitivo. Penso que este método tem excelente indicação em pequenas depressões, na região inferior e interna da nádega ou para corrigir assimetrias quer primárias, quer secundárias a Lipoaspiração ou a infiltração de gordura ou então quando a paciente pretende um resultado não definitivo e está disposta periodicamente a despender dinheiro com o procedimento. O risco de complicações é pequeno e inclui inflamação temporária inicial ou muito raramente inflamação crónica com formação de Quistos e Necrose gorda. A Bioplastia, pode também ser realizada com Metacrilato, produto definitivo e mais económico mas com grande risco de complicações, com formação de nódulos, inflamações crónicas e mesmo abcessos, que por vezes deixam sequelas irreversíveis, como cicatrizes e deformações. Os produtos infiltrados incorporam nos tecidos locais, sendo impossível a sua remoção completa.

Outro método, cada vez com mais procura e com melhores resultados, consiste na infiltração de gordura nas áreas necessitadas, de modo a aumentar a projeção, habitualmente na parte superior das nádegas e na parte inferior interna, a zona de apoio ao sentar e que com o avançar da idade vai perdendo gordura, dando origem a uma depressão local. Esta infiltração de gordura obriga a uma Lipoaspiração para colheita de gordura, a qual é preparada e injetada nas áreas pretendidas. A técnica de colheita e preparação da gordura tem evoluído nos últimos anos, permitindo cada vez mais uma maior sobrevivência da gordura injetada, que funciona como um enxerto. As taxas de sobrevivência da gordura e durabilidade de resultados, ainda não são estáveis. A qualidade e quantidade de gordura varia de paciente para paciente e para aumentar as nádegas precisa-se de uma certa quantidade, que por vezes não é possível obter por ausência de zona dadora em quantidade. Habitualmente a gordura é removida do abdómen ou das coxas. Para o procedimento, que demora cerca de duas horas, opta-se por Anestesia sedativa ou Epidural. Não é necessário cuidado especial na área, exceto uma cinta ligeiramente compressiva durante três semanas. O Edema e volume inicial irá diminuindo até estabilizar. Um resultado de cinquenta por cento de persistência do volume inicial considera-se um excelente resultado. Teremos um resultado final ao fim de cerca de seis meses. Poderá no futuro aumentar ainda mais o volume com nova infiltração de gordura, Ácido Hialurónico ou mesmo recorrendo a uma técnica mais invasiva, como a colocação de implantes de gel de silicone. O aumento de glúteos com implantes é a técnica que permite um resultado mais duradouro. Os implantes são semelhantes aos implantes mamários, mas com características próprias de modo a serem mais resistentes e apresentam forma própria, redonda ou oval. A forma redonda dá mais projeção e a forma oval modela e preenche mais a parte lateral da nádega. Os implantes podem ser lisos ou texturizados e existem em vários tamanhos. Geralmente variam entre 160 -550 cc. Em relação ao tamanho, convém reforçar que não deve exagerar, pois quanto maior o tamanho, maior o risco de complicações e menos natural o resultado. A durabilidade é inferior à dos implantes mamários e existe maior risco de rotura devido à maior tensão por compressão local.

Através de uma incisão vertical no sulco interglúteo com cerca de seis centímetros, os implantes são colocados entre as fibras do músculo glúteo maior, permitindo que este funcione como uma almofada, que vai evitar que se veja o implante, assim como torná-lo impercetível ao toque, portanto, permitindo um resultado mais natural. O implante é colocado na zona superior da nádega e não na zona inferior, pelo que não interfere com o sentar. Muitas vezes associa-se Lipoescultura com Lipoaspiração dos flancos e regiões envolventes e infiltração de gordura, de modo a melhorar o contorno corporal e corrigir deformações permitindo assim um resultado mais harmonioso.

A cirurgia é realizada sob Anestesia epidural ou geral e demora cerca de uma a duas horas. Habitualmente são colocados drenos, que são removidos após vinte e quatro horas, de modo a acelerar a recuperação. Recomenda-se internamento de igual período. Os pontos podem ser reabsorvíveis, externos ou ambos. Se externos, retiram-se ao fim de quinze dias. Terá alta medicada com um antibiótico profilático e analgésicos durante a primeira semana. Apesar de poder sentar-se no próprio dia e caminhar no dia seguinte, pois como referi acima, o implante não fica colocado na zona de apoio, só o deverá fazer por motivos imprescindíveis, pois irá sentir dor muscular. Vai sentir-se mais confortável de lado ou de barriga para baixo, que são aliás as posições recomendadas nas primeiras três semanas de pós-operatório. Ao sentar-se utilizará a parte inferior glútea e a parte superior da coxa. A posição de condução deve ser evitada durante cerca de quinze dias, após o que pode ser retomada, assim como as caminhadas. Atividades que impliquem força muscular intensa só devem ser retomadas ao fim de dois meses. Recomenda-se o uso de um calção compressivo durante cerca de dois meses, para evitar hematomas e ajudar na aderência dos tecidos. Estão proibidas as injeções intramusculares glúteas. A cicatriz torna-se impercetível em pouco tempo. A sensação de tensão, diminuição da sensibilidade e corpo estranho geralmente desaparecem em três meses, embora nalguns casos, essa sensação possa persistir para sempre. Como nos implantes mamários, o resultado definitivo só é totalmente visível ao fim de seis meses, à medida que a inflamação pós-operatória desaparece. O controlo posterior dos implantes será feito periodicamente através de ecografia. O numero de complicações diminui, com a colocação do implante em posição intramuscular, mas ainda podem ocorrer infeções, deiscência da sutura, rotura, rejeição, contratura capsular e mal posicionamento que obrigam à remoção e/ou substituição dos implantes. Quando se substitui os implantes por contratura capsular, recomenda-se um implante de menor volume, de modo a reduzir o risco de nova contratura capsular. A cicatriz, embora habitualmente se torne impercetível, poderá, em raros casos de predisposição genética, tornar-se hipertrófica, como em todas as outras cicatrizes.

Outra técnica invasiva de aumento de glúteos consiste na realização de um retalho dermoadiposo que é rebatido dando volume à zona superior glútea. Esta técnica é utilizada quando existe muito excesso de pele na nádega, como acontece após emagrecimento extremo. Deste modo, o tecido em excesso é utilizado, funcionando como um implante natural, ao mesmo tempo que permite uma subida da nádega e sulco nadegueiro. A cicatriz fica colocada como se de uma asa delta se tratasse. Demora cerca de duas horas a realizar e implica anestesia epidural ou geral e internamento de vinte e quatro horas, habitualmente com drenos colocados. Embora possa ser associada a Lifting das coxas, não o recomendo, pois torna o período de recuperação extremamente desconfortável. No pós-operatório deve evitar sentar-se ou inclinar-se para a frente durante cerca de uma semana. A cicatriz demora cerca de um ano a clarear e pode alargar um pouco, pois está sujeita a muita tração. As principais complicações são as infeções, Seroma e a deiscência de sutura com atraso de cicatrização, pelo que deve respeitar o repouso recomendado durante as primeiras duas semanas de modo a diminuir a força de tração sobre a cicatriz. A cicatriz após o período de estabilização, de cerca de seis meses, poderá necessitar de pequenas correções.

Imagens antes e depois


voltar