Tratamentos

Abdominoplastia / Dermolipectomia abdominal

Quantas mulheres, mesmo sem excesso de peso, veem o seu abdómen mudar após a gravidez, com distensão, estrias, excesso de pele e deformação do umbigo, por vezes com Hérnia umbilical associada? Estas alterações vão deixá-la infeliz e pouco à vontade para se despir em frente ao seu parceiro, para ir à praia, assim como vão impedi-la de usar a roupa justa de que tanto gosta. Outras mulheres apresentam excesso de peso, com abdómen “em avental”, que piora à medida que emagrecem, tornando-se um incómodo na sua vida diária, com infeções frequentes a fungos na prega supra púbica, com dificuldade na sua higiene diária, já para não falar no ato sexual, que se torna na maior parte dos casos um momento stressante em vez de prazer. Outro grupo de mulheres apresenta um abdómen firme até à menopausa mas, de repente, as alterações hormonais levam a uma diminuição progressiva do tónus muscular e da elasticidade cutânea, condicionando um volume abdominal persistente, mesmo praticando exercício físico, parecendo que estão grávidas. Outra situação são as sequelas de cirurgia abdominal, com cicatrizes verticais na parede abdominal e irregularidades da pele.

A abdominoplastia consiste na remoção da pele e gordura em excesso abaixo do umbigo, Plicatura da Aponevrose dos músculos retos abdominais, com reforço da parede abdominal, responsável pela barriguinha para dentro e tonificada, descolamento da pele acima do umbigo e seu estiramento, permitindo esticar o abdómen desde a região abaixo do peito até ao púbis. O umbigo é também reconstruído, de modo a ficar aderente e mais pequeno, corrigindo-se ao mesmo tempo uma possível Hérnia umbilical, no caso de existir. O púbis fica também mais esticado, como se tivesse sofrido um Lifting, assim como a pele da região superior da raiz da coxa. A subida do púbis melhora o prazer sexual, pois projeta mais o clitóris. A Abdominoplastia deixa uma cicatriz horizontal, tipo Cesariana, que se prolonga lateralmente em maior ou menor extensão, de acordo com a quantidade de pele que tem de ser removida. Deixa também uma cicatriz à volta do umbigo, que retrai para dentro do umbigo, tornando-se pouco percetível. A cicatriz horizontal é colocada de modo a poder usar no futuro biquínis. Portanto, não é visível com a roupa de banho ou íntima. Muitas mulheres têm receio da extensão da cicatriz. A extensão deve ser adequada à remoção do excesso lateral de pele e gordura. A ideia de ser mais curta, mesmo que fiquem “papos de lado” está errada. É preferível uma cicatriz que fica sempre escondida, a papos laterais que são visíveis. As cicatrizes têm um período em que são muito evidentes, geralmente os primeiros seis meses, tornando-se progressivamente claras ao fim de um a dois anos. Claro que existem pacientes que podem formar cicatriz hipertrófica e mesmo queloide, tudo depende da genética de cicatrização. Mas entre ter um abdómen liso com cicatriz mais visível que pode esconder na linha da cueca ou não ter cicatriz e ter um abdómen flácido, descaído, volumoso e com estrias, não há dúvida possível em optar pela  primeira hipótese.

 

A Abdominoplastia é muitas vezes associada a Lipoaspiração dos flancos, dorso, cintura e púbis de modo a conseguir-se um tronco mais harmonioso. Os melhores resultados conseguem-se em doentes magras, que só apresentam excesso de pele. Nas obesas, para conseguir um resultado mais harmonioso, temos muitas vezes de associar Lipoaspiração de outras áreas do tronco. Embora em doentes obesas ocorra uma redução de peso de dois a seis quilos, esta cirurgia não deve ser feita com o objetivo de reduzir peso, mas sim de remodelar o tronco. Em doentes muito obesas, persistirá sempre um certo volume abdominal, pois grande parte desta gordura em excesso encontra-se intraabdominal, envolvendo o intestino e só com dieta poderá ser eliminada.

Existem variantes à Abdominoplastia, tais como a mini Abdominoplastia e a Abdominoplastia invertida. A mini Abdominoplastia tem indicação quando o excesso de pele e gordura é predominante abaixo do umbigo ou quando este excesso também envolve a parte superior, mas existem contraindicações para a Abdominoplastia completa ou a paciente não o quer, pois o tempo de recuperação é inferior. Pode ser associada a Lipoaspiração da cintura e da região supra umbilical. Nesta cirurgia, só a pele abaixo do umbigo é esticada, não sendo feita a transposição umbilical. Pode ser realizada Plicatura da Aponevrose muscular. A mini Abdominoplastia pode ser realizada em ambulatório, recomenda-se um período de repouso de uma semana e tem um período de recuperação de cerca de três semanas.

A Abdominoplastia invertida é uma técnica raramente utilizada quando o excesso de pele é somente na parte superior acima do umbigo e ao mesmo tempo se realiza Mamoplastia, pois deixa uma cicatriz horizontal ao nível do sulco inframamário. Tem um pós-operatório semelhante ao da mini Abdominoplastia.

A Abdominoplastia é uma cirurgia realizada com anestesia epidural ou anestesia geral. Demora cerca de duas três horas dependendo da extensão do abdómen. Recomenda-se sempre 48 horas de internamento. Os drenos, são retirados na altura da alta hospitalar. As suturas são intradérmicas, pelo que não é necessário retirar pontos e deixa habitualmente uma excelente cicatriz fina. A paciente tem alta com pensos impermeáveis, de modo a poder tomar duche, e com uma faixa compressiva obrigatória. Esta faixa deverá ser mantida, só sendo retirada aquando do banho, sendo substituída por uma cinta ao fim de um mês e que deverá ser usada durante mais outro mês. Durante quinze dias, terá de repousar, sendo proibido conduzir, não é obrigatório estar sempre deitada, mas deverá poder repousar o mais possível com as pernas levantadas já que estas têm tendência a inchar nas primeiras semanas. O repouso é necessário, porque se começa a movimentar-se precocemente, atrasa o processo de aderência da pele e tecido subcutâneo ao plano muscular, com aumento da probabilidade de formação de Seroma. A Plicatura da Aponevrose muscular também pode rebentar se ocorrer algum esforço indevido precocemente. Durante as primeiras semanas irá sentir uma sensação de estiramento da parede abdominal e enfartamento precoce durante as refeições, isto é, vai-se sentir com estomago cheio, mesmo comendo pouco. Isto deve-se ao aperto da Aaponevrose muscular, que vai como que reajustar o espaço entre os órgãos intra-abdominais. Esta cirurgia, em pacientes com abdómens muito distendidos e obstipação, contribui para a melhoria da obstipação. Após os primeiros quinze dias poderá retomar, pouco a pouco, a sua vida social e laboral habitual, sempre com uma cinta nos primeiros dois meses. Exercício físico, nomeadamente abdominais, só poderá retomar ao fim de dois meses de pós-operatório, para que o músculo esteja cicatrizado e não ocorra rebentamento de pontos internos. Porém vai levar entre seis meses a um ano até que se esqueça que foi operada. A região inferior, logo por cima da cicatriz, apresentará Edema durante os primeiros meses, o qual vai pouco a pouco diminuindo, à medida que a circulação linfática se refaz. Durante o primeiro ano é de prever alteração da sensibilidade da pele à volta do umbigo, que devagar retorna, embora com algum défice. As cicatrizes vão clareando e após o período de estabilização, geralmente seis meses, é feita uma reavaliação, pois pode ser necessário retoques na cicatriz ou a nível da espessura do retalho, quer a nível supra umbilical, quer infra umbilical. Estes retoques podem implicar excisão cirúrgica da cicatriz e Lipoaspiração do retalho, de modo a otimizar o resultado da Abdominoplastia. Tais procedimentos são habitualmente realizados sob anestesia local, não interferindo com a sua vida normal. As entusiastas das tatuagens poderão então realizar uma tatuagem ao longo da cicatriz, tornando-a praticamente impercetível

Após cerca de dois a três meses poderá apanhar sol, mas sempre de forma indireta e com proteção solar durante o primeiro ano.

A Abdominoplastia não impede a gravidez, mas só se recomenda a realização quando não quiser ter mais filhos, pois poderá estragar a pele novamente com estrias e, secundariamente, não ser possível realizar nova Abdominoplastia por escassez de pele.

É das cirurgias estéticas que pode acarretar mais complicações, embora atualmente raras, se forem tomados todos os cuidados, sendo de primária importância o repouso, a compressão elástica do abdómem e dos membros inferiores, reduzir ou parar o consumo de tabaco, visto que o tabaco tem um efeito negativo na cicatrização da gordura e pele. Pode como em qualquer cirurgia ocorrer infeções e hematomas. As Tromboembolias, fenómenos descritos nesta cirurgia como em outras cirurgias ginecológicas, ortopédicas e abdominais são extremamente raras, mais frequentes nos obesos, podem, no entanto, ocorrer em qualquer pessoa, não se podendo prever quando. As pacientes são sujeitas a um protocolo intra e perioperatório de modo a manter a probabilidade de Tromboembolia mínima, tal implica terapêutica com uma substância para o sangue ficar mais fluido durante a primeira semana, o uso de meias de compressão elástica durante quinze dias e a mobilização precoce dos membros inferiores. Doentes muito obesas são aconselhadas a perder peso primeiro, para baixar o risco. Também não é conveniente associar outras cirurgias demoradas com a Abdominoplastia, para não aumentar muito o tempo de cirurgia. Deve evitar também realizar viagens prolongadas de avião, durante a primeira semana antes da cirurgia e após quinze dias, pois a imobilização aumenta o risco, portanto cuidado quando resolver ser operada e realizar uma viagem de avião longa logo de seguida.

Outra complicação são as Necroses de pele, geralmente na região logo acima do púbis. Esta parte da pele e gordura é muito sensível ao estiramento que vai ocorrer com a cirurgia, agravado muitas vezes pelo consumo de tabaco. Pode então ocorrer pequenas perdas de pele e gordura «necrose», que levarão por vezes várias semanas até cicatrizar. Quando tal acontece, a cicatriz terá de ser corrigida posteriormente, quando a pele o permitir, o que poderá levar um ano. Está contraindicado lipoaspirar a zona do retalho abdominal acima do umbigo no mesmo tempo em que se realiza a Abdominoplastia, pois a circulação sanguínea para o retalho vem em parte dessa zona, podendo ser lesados vasos. Isto implica, por vezes, em abdómens com parede muito espessa por excesso de gordura, realizar a Lipoaspiração desta área num segundo tempo.

Outra situação mais frequente é o Seroma. O Seroma é uma acumulação de líquido entre a parede de pele e gordura e o músculo abdominal. Não é grave, mas atrasa a recuperação. Não respeitar o repouso, assim como não usar cinta, aumenta a probabilidade de isto acontecer.

cício físico. Deve evitar a exposição solar durante 2 meses.

Imagens antes e depois


voltar